Seja bem vindo ao Gyllenhaalics, um blog totalmente dedicado ao ator Jake Gyllenhaal, que é conhecido por grandes filmes como Donnie Darko, Soldado Anônimo, O Segredo de Brokeback Mountain, Zodíaco, O Abutre e muitos outros. Obrigado pela visita e aproveite!

Dois Jakes e duas entrevistas

Abaixo uma entrevista com Jake Gyllenhaal para a revista CinePlex sobre o filme Enemy:


Tradução:




A última vez que conversei com você foi há nove anos atrás sobre O Segredo de Brokeback Mountain. Eu estou falando com o mesmo cara hoje?

Definitivamente não. Muita coisa mudou. Durante aquela época eu pensei que estava sobrecarregado pela resposta que o filme recebeu. Eu não tinha ideia que se tornaria o que se tornou. Eu acho que foi uma surpresa para todos nós. Mas o que mais mudou foi que fiquei mais perto do que eu sempre soube, isso quer dizer eu realmente quero tentar e ser honesto e claro, e tentar e fazer isso com meu trabalho e com as pessoas que eu amo...Eu não era isso, mas em seus 20 anos você não pensa muito nessas coisas.

Depois de Brokeback Mountain você fez alguns filmes como Príncipe da Pérsia: As Areias do tempo. Você se viu como uma estrela de blockbuster?

[risos]Não posso fazer coisas em que não acredito. As vezes as pessoas dizem 'Apenas faça esse filme e se divirta'. Eu não posso ter diversão até eu saber a razão no que estou fazendo. Eu não sei se isso é não fazer um filme de ação, mas isso tem que ter aquele sentimento em mim. Eu apenas sei que não posso me comprometer no que não acredito.

Onde você encontrou diversão em Enemy?

Eu acho que a diversão está na exploração. Apenas explorando os mais maravilhosos e lugares escuros e tendo essa experiência com alguém com uma mente como a minha. Você sabe quando você compartilha, e isso se torna uma inspiração para outra coisa, e você vai construindo em cima disso. Nunca teve uma meta a atingir, isso era apenas uma espécie de exploração. E isso era divertido.

Você entendeu a história quando estava filmando?

Mais ou menos. Eu sabia que eu tinha que ir fazer isso.


Em um momento eu lembro de olhar para Denis e dizer 'O que nós estamos fazendo é grande, mas isso vai ser mesmo um filme?'

Como Denis Villeneuve "vendeu" este projeto para você?

Ele me enviou o script. Eu entendi a ideia de procurar uma identidade, lutando com o que isso foi. E nessa época eu estava me mudando de Los Angeles para Nova York; eu estava vivendo há um ano lá. Eu estava descobrindo que filmes queria fazer, e que histórias eu queria contar. Eu estava questionando muitas coisas e mais ou menos isso apareceu na minha porta. Isso foi tudo que eu estava experimentando de uma maneira diferente e me encontrei com ele para alguns drinks. Dado o tipo de natureza estranha, assunto profundo, e sua adorável personalidade, isso funcionou perfeitamente. É uma grande coisa quando alguém é uma espécie de alma gentil, mas sem medo da violência ou escuridão ou raiva ou essas coisas, eles querem ir para lá, mas há uma bondade. Isso é apenas a equação perfeita para mim.

Scorsese tem DiCaprio, Steve McQueen tem Fassbender. Podemos dizer que Denis Villeneuve tem Jake Gyllenhaal?

Eu não sei nada sobre isso, você deveria perguntar para ele.

Você gosta da ideia?

Sim, muito. Eu adoraria trabalhar com ele de novo. E acho que nós aprendemos mais e mais quando trabalhamos juntos, sobre um ao outro, sobre nós mesmos.

Enemy foi filmado em Toronto. Você sente que a escolha da cidade moldou o filme?

Eu sinto que há uma busca pela identidade em Toronto também. A cidade em si está em busca de uma identidade em algum lugar. Há grandes culturas que estão tentando encontrar seu centro. Eu posso ver isso em Toronto. E ao mesmo tempo há um tipo de escuridão ubjacente à cidade. E foi isso que eu e Denis trouxemos para o filme. Toronto é também um lugar onde muitos filmes foram feitos freqüentemente, mas tentando ser outra cidade.

Estar em uma cidade diferente influenciou você como ator?

Totalmente. Recentemente, eu estava filmando Nightcrawler em Los Angeles. Nós filmamos perto da minha primeira casa; o que foi uma experiência estranha. Foi muito influente e estranho filmar em cada lugar que cresci, isso foi estranho. Para mim, é legal estar longe em um lugar diferente, um país desconhecido. Enemy teve essa sensação.

Meu barbeiro me disse que mais e mais caras estão pedindo 'a barba de Jake Gyllenhaal'. Sua barba recebeu o nome de barba moderna. Há alguma nova tendência que podemos esperar de você?

[risos]. Eu não tenho ideia; isso vem do meu inconsciente. Eu estou prestes a fazer esse filme sobre o Everest, então eu espero que vai inspirar as pessoas a ir e explorar mais coisas fora do seu dia-a-dia como eu tive em preparação para este filme. Isso está sendo uma grande inspiração. Deixar meu telefone e ir para o deserto tem sido uma experiência maravilhosa, talvez isso vai inspirar outras pessoas.

Fonte: iheartjakemedia

Outra entrevista

Jake também foi entrevistado pelo Saloon:



Quem sabia que Jake Gyllenhaal foi tal de um artista?

O astro bonitão passou os últimos anos um pouco afastado dos holofotes, trabalhando em projetos menores como "Source Code", "End of Watch" e "Prisoners" - não um filme Marvel à vista! Ele está reunido com seu diretor de "Prisoners", Denis Villeneuve, em um dos mais estranhos, filmes independentes mais interessantes dos últimos tempos.

"Enemy" conta a história de um professor universitário que se torna obcecado com o seu sósia, um ator famoso. Ambos os homens são interpretados por Gyllenhaal, que atuou frente a uma bola de tênis, a fim de criar o efeito. O conceito se origina a partir do romance "O Homem Duplicado", do vencedor do Prêmio Nobel o português José Saramago, nem cabeças à frente, nem mesmo uma Saramago, poderia ter previsto.

Em uma recente entrevista em Nova York, o temperamento de Gyllenhaal adequado à sua filmografia mais recente: ele era legal, cerebral, e preocupado com questões de identidade - algumas das quais voou sobre a cabeça do entrevistador, mas, como "Enemy", foi um passeio . "Para mim, é realmente sobre ser inspirado. Não há melhor combustível do que isso", disse Gyllenhaal. "Tenho certeza que você faz muitas, muitas, muitas entrevistas e há alguns que são inspiradores ou excitante, antes ou durante." Este foi um deles!

Fiquei impressionado que um de seus personagens era um ator - e eu queria saber o grau em que "Enemy" é sobre a sua experiência com a fama?

Eu não sei se foi por isso, tanto quanto sobre a identidade. Quero dizer, obviamente, você provavelmente pode correlacionar isso com tudo o que fazemos ou com o que estamos envolvidos. Há esse aspecto do filme que é interessante que eu não acho que nós ainda realmente percebemos o que era [o] que estávamos fazendo. Quando eu ligar para ele e digo de uma maneira que eu sou um fã do seu trabalho, mas naquele tempo no filme é uma manipulação para tentar encontrá-lo ... Há um monte de coisas em jogo naquele momento e que é definitivamente um deles. Há uma espécie de sentimento de desespero em termos dele tentando encontrar sua própria identidade e, ao mesmo tempo, buscando uma identidade, ou a identidade de outra pessoa, ou a percepção de que, para compreender a sua própria. Então, isso é em jogo definitivamente. Mas eu acho que nós fazemos isso o tempo todo, independentemente de saber se é sobre a fama ou não.

É realmente sobre ... Tentamos conectar o tempo todo. Eu acho que nos dá uma noção de quem somos. Quando você encontrar alguém que você se conectar com, tipo, "Oh wow. Isso é incrível. "Você sabe?

Se você é famoso ou não.

É. Quero dizer, para mim, penso na emoção que recebo ao sair com meus amigos que eu adoro. Eu não sei se isso seria semelhante, mas há um entusiasmo sempre que as pessoas são de mentes semelhantes.

Mas há tantas coisas em jogo neste filme. Quero dizer, tantas coisas em jogo. Mas essa cena em particular onde ele é como, "Oh, eu só quero falar com você. Eu sou um grande fã. Eu sou um professor de história. "Quero dizer, olha, mais uma vez, eu já disse muitas vezes, há tantas coisas em jogo.

Então diga-me um pouco sobre se você leu o material de origem. Você lê regularmente o material de origem?

Sim.

Será que você fez desta vez?

Não, eu não fiz. Eu geralmente leio o material de origem. Na verdade, esse tipo de preparação é realmente informativo para mim normalmente. Mas não neste caso, porque era tal ...

Quando eu li o roteiro, nunca tinha lido o livro. Então li o roteiro pela primeira vez. E o próprio roteiro foi um pouco de uma viagem de cabeça e, em seguida, houve um manifesto que veio junto com ele a partir de Denis Villeneuve, o diretor, descrevendo como ele queria que o filme fosse porque o script não é sempre muito - "claro" é a palavra errada - nem sempre muito óbvio. Então, ele veio com uma ideia muito simples do que o filme era para ele e então ele teve imagens de como ele planejava fazer o filme e que realmente me atraiu.

E então eu decidi, por causa do que ele falou sobre a ideia de identidade, a ideia de uma espécie de exploração da intimidade, a sexualidade, as conexões de todos os tipos com você mesmo, com outras pessoas, compromisso - todas essas coisas - para si mesmo, para um relacionamento. Eu decidi não ler o livro, porque eu senti que de alguma forma dificultaria a esta exploração. Às vezes, a forma literária torna difícil interpretar algo cinematograficamente, porque você é pego nas coisas que você ama tanto sobre as palavras e eu realmente realmente não queria ser pego e eu sabia que iria porque sabia que o script já estava diferente do livro.

Então você começa a ir, "Bem, eu amo essa coisa sobre o livro. Podemos talvez colocar isso? "Ao contrário de como posso experimentar e como me sinto sobre isso? E acho que para Denis era realmente importante, os sentimentos que surgiram para que pudéssemos expressar aqueles a partir da experiência em oposição a partir do livro.

Eu vi o filme ontem e gostei muito, mas você não pode negar que existem aspectos que são desafiadoras. E não é o seu primeiro filme assim. Como sua carreira vai em você fazendo você se encontrar atraído por coisas que mexem com você? Você está jogando contra qualquer tipo de imagem?

Quero dizer, isso é uma pergunta muito consciente. Ou seja, estou consciente das escolhas que estou fazendo? E eu acho que não posso tomar decisões como essa e ser criativo. Você sabe? Tudo o que posso fazer é tentar ouvir alguma coisa - uma história que está sendo contada ou uma pessoa que está fazendo o filme ou o script que eu li - e dizer, isso mexe comigo? Eu estaria animado para ajudar a traduzir isso para a tela? E é isso. Alguém me perguntou: "Você sempre teve uma lista onde você queria interpretar dois personagens em um filme?" Você sabe - é algum tipo de indulgência ao ator ou algo assim? E essa era a implicação e eu nunca pensei sobre isso, nunca. Na verdade, era mais sobre essa ideia de o que é intimidade? Como é que vamos procurar a nossa própria identidade, separada de um relacionamento, em um relacionamento? O que é um relacionamento sexual? O que é um relacionamento romântico íntimo? Esses dois personagens estão lutando com ambas as idéias e fiquei fascinado com isso, e espero que continue a ficar fascinado com isso para a minha vida inteira.

Se você parar de ser fascinado com isso, então você tem um problema real ...

Sim, e para mim a experiência de fazer o filme foi a melhor parte. Foi uma das melhores experiências que já tive. Nós iríamos filmar durante o dia e, em seguida, à noite, nós todos - geralmente eu, Denis o diretor, e Nico [Nicolas Bolduc] o diretor de fotografia, e às vezes outros membros da tripulação e alguns do elenco - saímos para jantar e discutíamos o que nós filmamos e como ele iria mudar no dia seguinte.

Certo, e quando você tem uma produção maior ou mais elaborada que não é tão fácil para aprofundar e fazê-lo.

Esperamos que você pode explorar a estrutura, o espaço que você está dado. Mas, para mim, é realmente sobre ser inspirado. Não há melhor combustível do que isso. Eu tenho certeza que você faz muitas, muitas, muitas entrevistas e há algumas que são inspiradoras ou excitante, antes ou durante. Coisas que você nunca soube que seria emocionante durante e depois eles são e você está envolvido. Isso para mim é a mesma coisa e talvez você diria: "Oh! Gostaria muito de entrevistar esta ou aquela pessoa ", mas no final você nunca sabe o que vai ser fascinante ...

É uma espécie disso neste momento ...

É. Mais ou menos. É.

Estou curioso, desempenhando um papel duplo, entre diferenciá-los, jogando contra si mesmo, o carrapatos em seu próprio ato ou o que dizer de sua própria atuação, o que você aprendeu ao fazer isso?

Eu acho que eu sempre pensei em mim não como um ator muito técnico e acho que aprendi durante o processo o quanto eu amo os aspectos técnicos do cinema. Porque você tem que seguir, especialmente nas cenas que você está jogando contra si mesmo, algumas regras muito, muito intensas. Porque nós trabalhamos com uma câmera stop-motion e você quer que seja as linhas do olho direito e como as coisas se movem e o que é real, mesmo em um mundo imaginário. Você sabe, você está olhando para uma bola de tênis. Você está ouvindo a sua própria voz em seu ouvido. Fundindo o mundo criativo com o mundo técnico, eu senti como uma ciência, juntamente com esse tipo de arte também. E eu nunca pensei em mim como alguém que adoraria esse mundo tanto. Um monte de gente me faz perguntas como: "Ah, se você faz um filme e há uma bola de tênis ou há uma tela verde atrás de você, não é assim?" Eu realmente não percebi o quanto eu amava isso.

Certo, muitas pessoas queixam-se sobre isso em outros filmes.

Sim, um monte de gente diz: "Eu não gosto disso. Eu quero realmente interagir com alguém. "E eu gosto de interagir com outras pessoas tanto, outros atores. Assistindo outro ator fazer um trabalho incrível, para mim, é a minha outra coisa favorita. Mas eu nunca percebi o quanto eu amo os aspectos técnicos do cinema. Você sente que está ajudando a fazer um filme ainda mais quando você está fazendo essas coisas, porque muito do cinema - o processo de filmagem - é tão técnico.

Estou curioso para saber como você se sente sobre o filme ter um final ambíguo. Será que isso te incomodou quando você estava lendo o roteiro, quando você estava fazendo isso ou você ama?

Eu amo isso. Eu olho para filmes como sonhos de uma forma. Nós temo-los. Há algo a ser aprendido lá. Algumas pessoas podem dizer que são essas coisas durante a noite que, em última instância apenas manter seus neurônios indo e manter o seu caloroso cérebro. Outras pessoas poderiam dizer que eles estão abertos para interpretação. Outras pessoas têm muitas idéias. Mas, para mim, eu acho que os filmes são assim. Quando você acorda de um sonho, às vezes você é movido, às vezes você está com medo, às vezes você não tem ideia do que aconteceu. E eu gosto de todas essas coisas que acontecem durante a mesma. Mas na maioria das vezes você acorda e vai, "Espere um segundo. Isso só aconteceu quando estava dormindo. Mas não sei do que se trata. "E eu gosto disso a cerca dos filmes e acho que você se senta no escuro, assim como você faz quando você está sonhando e você experimenta algo. Então, eu estou emocionado com as extremidades abertas e as questões. Eu acho que eles são tudo.

Fonte: salon.com e foto IHJ.


Nenhum comentário:

Postar um comentário