Seja bem vindo ao Gyllenhaalics, um blog totalmente dedicado ao ator Jake Gyllenhaal, que é conhecido por grandes filmes como Donnie Darko, Soldado Anônimo, O Segredo de Brokeback Mountain, Zodíaco, O Abutre e muitos outros. Obrigado pela visita e aproveite!

Entrevista com Jake Gyllenhaal e Hugh Jackman

Scans da entrevista para a revista Total Film:


Tradução da entrevista:

Vocês dois interpretam personagens muito diferentes...

Hugh Jackman: Nós nos estabelecemos como uma espécie de sobrevivência; ele é um tipo de personalidade que quer estar no controle de tudo. Eu certamente não entendo todo o seu 'Eu faria qualquer coisa para ter minha filha de volta', claro, eu entendo. Mas eu tenho um temperamento diferente. Eu não sou um cara fora do controle!

Jake Gyllenhaal: Eu diria que meu personagem, detetive Loki, engloba a parte mais cerebral da história. Ele é os olhos do público no sentindo de que qualquer um pode ser os suspeito, qualquer um deles pode ter cometido este crime... talvez até ele. Ele é alguém que vai fazer todas as perguntas que o público está se perguntando. Ele também trabalha como a única pessoa que é profundamente fascinado pela mente do crime.

HJ: Os dois personagens não tem muitas cenas juntos, mas eles estão em uma rota de colisão pq eles estão tentando manter um longe do outro. Eu adorei trabalhar com Jake. Primeiro, ele é incrivelmente talentoso. Ele era o que mantinha lembrando a todos nós que deveríamos ficar de olho nos momentos em que os personagens podem se conectar, mesmo que eles sejam quase inimigos. Porque o que acontece nessas situações é que as pessoas precisam de outras pessoas por causa de muitas razões. E acho que nós conseguimos fazer um bom trabalho em um pequeno número de cenas que mostraram essa ligação.

JG: Eu acho que a dificuldade com a situação de Loki é que ele não quer se envolver emocionalmente; então quando digo cerebral eu não quero dizer que tudo é cérebro, mas ele tem que resistir às emoções e manter os fatos. Denis Villeneuve e eu falamos muito sobre como Loki tem que manter as coisas sob controle, pois, lidar com o tipo de pessoas que ele tem de lidar aqui, ele poderia facilmente se tornar violento. E isso é mostrado em momentos em que ele não tem certeza ou está certo sobre algo.

Foi um filme difícil de fazer?

HJ: Algumas vezes me senti doente do estômago apenas andando nos sets! Porque o filme me forçou a ir a lugares que é o maior pesadelo para os pais. Tem algumas cenas que certamente foram difíceis de fazer e não fáceis de se assistir. O nível de intensidade foi muito alto. Mas para ser honesto a parte mais difícil foi pesquisar. Obviamente eu queria um número de muitas coisas específicas, que acontece neste tipo de situação, o que você iria passar. Há privação de sono por uma coisa; esta história tem lugar durante sete ou oito dias, de modo que é parte dela.

JG: A pesquisa foi difícil. Eu sei sobre o trabalho policial por causa da minha experiência fazendo End of Watch, e para este eu falei com detetives e pessoas que resolvem esses tipos de crimes, que me deram uma visão real. Eu li muitos livros e assisti horas e horas de interrogação.

HJ: Assistindo vídeos e ouvindo histórias foi uma drenagem. Isso foi definitivamente acordar. Durante a minha pesquisa, havia um cara que encontrei que era um investigador de homicídios durante toda a carreira. Ele disse que investigou mais de 500 homicídios e mesmo assim ele não se lembrava de todos eles, mas quando envolvia crianças, ele se lembrava de cada detalhe. Nós estávamos lidando com algo que afetava as pessoas em cada nível.

JG: Eu gosto de fazer muita pesquisa para que eu possa improvisar durante as filmagens. Em qualquer cena eu posso vir com perguntas para os outros personagens que pode deixá-los sem respostas. Hugh adorava isso. Há personagens que são difíceis de se fazer isso, mas eu sempre tento e pego eles na mentira. O que é divertido é que se um ator conhece seu personagem bem eles vão responder as perguntas e manipular você da mesma maneira.

HJ: Jake e eu gostamos de trabalhar do mesmo modo, desde o começo pesquisamos muito, e não tivemos medo de falar sobre uma cena... muito, na verdade. Sempre íamos no trailer um do outro o tempo todo, indo mais em mais coisas. Quando você está trabalhando com um grande ator como Jake, não é assim, "Sim, nós temos essa cena! ', é mais como,' Vamos continuar a trabalhar isso, vamos continuar encontrando mais coisas. Nós improvisamos muito.

JG: Minha parte termina de modo diferente de como foi originalmente escrita. Quando me ofereceram pela primeira vez eu disse: 'Olha, eu acho que essa é uma história interessante, mas o que eu estou mais fascinado é com a mentalidade de uma pessoa que gostaria de resolver um caso como este. Acho que gostaria de resolver o caso como este. Eu acho que nós normalmente queremos que a pessoa a ser conservador e certinho e que era uma espécie de como ele foi escrito. Mas, como nós evoluímos o personagem e a descoberta de quem ele era, começamos a perceber que havia uma escuridão real dentro dele que lhe permitiu ter esse fascínio com este mundo, e que me deixou muito animado.

HJ: O personagem de Jake mudou muito. Ele realmente colocou muita coisa durante o processo e muito do que você vê na tela não estava originalmente ali. Eu penso que ele foi muito bem humanizado. Ele não mostra apenas uma semana na vida do personagem, mas como essa semana o mudou. Ele é um investigador mas ele luta com a própria vida para se conectar com as pessoas e acho que Jake o interpretou em um modo tridimensional.

Dado o assunto difícil, vocês acham que o filme vai provocar um monte de debate?

HJ: Eu faço, e eu acho que é pra ser provocativo. Denis não se coíbe da violência, às vezes, o que é desconfortável. Acho que o filme é desconfortável para assistir em muitos momentos e é assim que deve ser. Trata-se de assuntos que são muito atuais agora - a tortura, e a questão de saber se o fim justifica os meios.

JG: Eu acho que o tema essencial do filme é a vingança e o que isso gera. A jornada começa muito pessoal para o personagem de Hugh, muito pessoal para meu personagem e eventualmente nós temos que confrontar as crianças dentro de nós, assim como as crianças que precisamos encontrar.


É denominado como um romance policial ... ele mantém você adivinhar até o fim?

HJ: Oh sim. Faz. De muitas maneiras. Há algumas reviravoltas e no que se transforma. Roger Deakins [diretor de fotografia] filmou isso, e o tom de Denis no set... se sente mais real e substancial do que você viu na maioria dos thrillers.

JG: Eu acho que o interessante é que, assim como este aspecto é romance policial, ele também coloca um ponto de interrogação sobre o comportamento de todos. Ele analisa as respostas de cada personagem com a situação, mas que é o tipo certo de comportamento quando você está lidando com algo parecido com isso. Quais são as soluções para algo tão horrível?


Jake, você também trabalhou com Denis em Enemy, que parece ser diferente de Prisoners...

JG: Muito diferente. Será que posso comparar com qualquer coisa? Inferno. Não. Eu não sei. Isso não é de nenhum modo convencional. É muito inconsciente, é como se o filme fosse um sonho...Eu não sei se posso chamar isso de filme. É uma experiência louca. Eu acho que assistir isso vai ser uma experiência.

O que vocês aprenderam com Prisoners?

JG: Eu aprendi muito. Eu acho que grande parte do meu trabalho é que se você quer, você vai aprender muito  sobre o mundo; você pode ir e fazer isso e aprender muito sobre si. Eu tipo que faço piada sobre isso, mas depois de fazer End of Watch, eu nunca mais peguei o metrô da mesma forma. E depois de fazer esse filme, eu definitivamente estou segurando as mãos das criança que eu amo na minha vida com mais força.

HJ: Quando você está fazendo essas coisas há um tipo estranho de catarse. O dia pode acabar esgotado, mas você pode se sentir feliz porque havia um grande fluxo no set. É assim que foi com isso. Felizmente para a minha família, eu estava filmando em locação, por isso durante a semana eu não teria que vê-los - que foi bom, porque eu não tenho muito que deixar até o final do dia! Já viu o filme? Eu assisti com minha esposa e ela achou difícil de assistir, mas realmente gostou. Meus filhos não vão ver este filme ...

Fonte: IHJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário