Seja bem vindo ao Gyllenhaalics, um blog totalmente dedicado ao ator Jake Gyllenhaal, que é conhecido por grandes filmes como Donnie Darko, Soldado Anônimo, O Segredo de Brokeback Mountain, Zodíaco, O Abutre e muitos outros. Obrigado pela visita e aproveite!

Entrevista para a Details e muito mais!


"Você realmente quer saber quantas flexões fiz? " Jake Gyllenhaal me pergunta. "Você está facilitando para mim a pergunta?"

Estamos no meio do jantar em Gracias Madre, um restaurante mexicano vegetariano em Los Angeles, embora nenhum de nós é vegetariano e ocorreram algumas interrupções. Uma mesa com jovens mulheres junto a nós ficaram mais animadas durante toda a noite, ou por causa de sucessivas margaritas ou, mais provavelmente, por causa da proximidade com um A-lister. A irmã de Gyllenhaal, Maggie , na cidade por apenas por um dia e que também não é um vegetariana, parou inesperadamente, perguntando se Jake recebeu a mensagem para encontrá-la aqui. (Ele não fez.) E uma fã veio até a nossa mesa pedir uma foto, um pedido que Gyllenhaal educadamente recusou e quase sem sucesso. (Ele: "Eu só estou fazendo uma entrevista", ela: "Você vai ser demorar?")


A persistente pergunta-o que ele descobriu sobre o mundo durante os cinco meses que passou treinando para Southpaw, um drama sombrio sobre um campeão dos meio-pesados ​​falido por causa de sua própria brutalidade e forçado a reconstruir sua vida, na verdade, tem mais a ver com a cabeça de Gyllenhaal do que com seu abdômen sarado. Eu não estou perguntando sobre as abdominais, pelo menos em parte, porque já sei a resposta para essa pergunta. Mil. Isso foi de manhã. E mais 1.000 à noite, um fato repetido à exaustão - busque no google JAKE GYLLENHAAL IS RIPPED, INSIDE JAKE GYLLENHAAL'S INSANE SOUTHPAW TRANSFORMATION, THE SURPRISING SECRET TO JAKE GYLLENHAAL'S SOUTHPAW WORKOUT PLAN -que têm acompanhado as fotos do filme flutuando em torno da web.

O treinamento para Southpaw foi selvagem e transformador. Gyllenhaal está quase irreconhecível como Billy Hope, seu corpo musculoso (e coberto de suor e sangue) e com o rosto contorcido em um ritual grotesco triunfante. Agora, porém, três linhas marcam a testa de Gyllenhaal. Linhas preocupantes, excepcionalmente profundas por causa de seus 34 anos. Ele é cauteloso ao falar sobre tudo isso, os 12 quilômetros de corrida que antecederam o dia-a-dia do treinamento que o levou até agora além de seus limites, adicionando mais de 10 quilos de músculo que às vezes o fez vomitar no chão. Ele já pode ver a narrativa da transformação do corpo tomando forma. Dois anos atrás, ele perdeu mais de 10 quilos para O Abutre, para interpretar Louis Bloom, um traficante de ferro que encontra sua vocação ao vender filmagens de acidentes reais para as estações de notícias de LA. Este novo papel, como aquele, despertou não só um Oscar buzz cedo, mas também uma obsessão com a mudança física de Gyllenhaal, bem como a sua resistência atlética recém-descoberta. Poucos dias antes de nos encontrarmos, um clipe do The Ellen DeGeneres Show surgiu mostrando DeGeneres pedindo à Gyllenhaal para pular corda para arrecadar dinheiro para caridade. "Você é um bom ator! Você pula corda tão rápido!" DeGeneres disse em tom de brincadeira.

Não é o tipo de coisa que você pode imaginar Christian Bale fazendo("Agora, exatamente o que você bebeu para ganhar essa pança para Americana Hustle?"), e é ainda mais difícil de imaginar Robert De Niro, pular com corda na mão, contando com o regime para Touro Indomável. Gyllenhaal nunca se esquivou do treinamento rigoroso: os cinco meses que se passaram aprendendo boxe para Southpaw são uma reminiscência dos cinco meses em 2011 que ele passou imerso no mundo do trabalho da polícia de Los Angeles, em preparação para as filmagens de 22 dias de Marcados para Morrer- patrulhas até a prática de tiro ("É aí que você corre de um prédio em chamas", explica ele). A metamorfose física é realmente apenas uma exteriorização de um processo que ele atravessa para cada papel.




"Eu acredito nisso. Eu realmente acredito", diz Gyllenhaal. "Mas eu acho que todos nós vemos o que queremos ver. Se você quer ver um cara que está em forma, então isso é o que você vê. Mas se você quiser ver o que sinto, acho que você tem que olhar um pouco mais profundo."

Há uma pausa enquanto Gyllenhaal considera o que ele está dizendo, ou talvez como ele está dizendo isso, e, em seguida, uma ligeira correção. O ponto pode ser melhor feito no sentido manhoso de humor que está sempre por perto. "As pessoas têm outras merdas para fazer, isso é mais interessante e mais importante, eu não os culpo por ser como, 'Oh, espere, quantas flexões você teve que fazer? Ou, 'Oh, wow, o que você comeu para perder tanto peso? Mas você está perdendo o ponto. O Abutre foi ironicamente sobre o problema com essa pergunta. Era sobre por que as pessoas só olham para a quantidade de peso que você perdeu, ao contrário do que está no coração do que você está fazendo. Nesse mundo, onde nós apenas incidir sobre essas coisas, alguém como Lou Bloom prospera. Na verdade, ele governa. "



Em 2010, Gyllenhaal olhou no espelho, viu um protagonista olhando para o passado, e piscou-ou assim foi. Esse foi o ano em que ele atuou em Amor e Outras Drogas, a comédia romântica em que interpretou um representante farmacêutico freqüentemente sem roupa, e Príncipe da Pérsia, um filme épico de grande orçamento adaptado a partir de uma série de vídeo-game. Nem um dos filmes se saíram bem criticamente ou comercialmente, e desde então ele tem vindo a fazer o que são referidos em Hollywood como "opções interessantes", perseguindo os cartéis de drogas ( Marcados para Morrer ), sequestradores (os perturbadores do drama Os Suspeitos), acidentes de carro ( O Abtre), e- o estranho e sonhador O Homem Duplicado de Denis Villeneuve-viu a si mesmo através de filmes que trouxeram pouco para o caminho da glória da bilheteria e muitas chances para mapear a escuridão. E se isso não bastasse como crédito artístico, Gyllenhaal também explorou o teatro, estrelando dois dramas do dramaturgo britânico Nick Payne, If There Is I Haven't Found It Yet e Constellations, sua estréia na Broadway. Esse caminho em direção ao sombrio e não convencional é uma sabedoria aceita que, antes que ele me pegou no meu hotel para jantar, um amigo em Nova Iorque me enviou, "Espero que ele te pegue em um Kia... apenas a mais recente em suas ousadas e escolhas inesperadas de Hollywood."

"As pessoas dizem, 'Você fez todas estas mudanças em sua vida, e todos os seus filmes parecem tão diferente agora. Eu realmente gosto do filmes que você está fazendo agora", diz Gyllenhaal. "O que implica que ele não fez ... " Há um sorriso sábio e, uma baixa risada maliciosa. Na verdade, ele está fazendo filmes interessantes e sombrios por um longo tempo, desde Donnie Darko, em 2001, e lutando com arquétipos masculinos em muitos outros: como um cowboy gay em Brokeback Mountain, um franco-atirador da marinha em Soldado Anônimo, até mesmo o homem faminto por dinheiro de Amor e Outras Drogas. Pode ser que a vida de Gyllenhaal, mais do que seus filmes,  mudou.



"Eu estava tentando descobrir um monte de coisas", diz ele. Ele estava na casa dos vinte anos, sem saber sobre seu "lugar." Essa é a forma como ele coloca agora. Ele colocou de forma mais direta para David Ayer, diretor do Marcados para Morrer, como Ayer contou em uma entrevista em 2012 para o site de entretenimento de notícias HitFix: "Estou cansado de tudo", lembrou Gyllenhaal lhe dizendo. "Eu estou cansado da minha vida e quero mudar isso."

À distância, ele se sente menos como uma doença do que uma pesquisa. "Todos disseram que vamos chegar a um lugar onde essas coisas vão se reunir, onde nós vamos de alguma forma sermos um todo ou feliz ou seja o que for", diz ele. "Então, fui à procura."

O que ele esperava encontrar era diretores de colaboração, histórias que desenham no subconsciente, e a chance de trabalhar as questões que ele próprio estava enfrentando. Em O Homem Duplicado, ele interpreta tanto um professor universitário manso e sósia de um homem, um ator barbudo, macho com a chave para um clube do sexo. Os dois personagens ofereceram-lhe uma chance de lutar com a idéia de conciliar a intimidade e desejo, e, mais importante, para encenar um confronto com o auto em um momento em que é precisamente o que ele estava fazendo na vida real.

"Eu estava em um lugar em minha vida onde me senti totalmente dividido", diz ele. "Eu tinha acabado de se mudar de Los Angeles para Nova York." Sua irmã e seu marido, Peter Sarsgaard, vivem no Brooklyn com suas duas filhas pequenas. Sua mãe, a roteirista e diretora Naomi Foner, também acabaraou por se instalar em Nova York após sua separação do diretor Stephen Gyllenhaal após três décadas de casamento em 2008. "Há um período de tempo em sua vida, em seus vinte anos, quando você está ouvindo um monte de opiniões de outras pessoas ", diz Gyllenhaal. "Você não tem certeza sobre o que você acredita, e você está se movendo em uma direção que faz você se sentir como parece certo para outras pessoas. E então você pensa, Espera, o que eu sinto? O que eu quero? O que me move? Nem sempre é tão pura e clara. Não é como se eu tenho o meu agente em um ombro e meu puro artista no outro ".

Se este é o artista puro que me pegou, ele está dirigindo um carro muito Hollywood: um branco BMW SUV. ("Você pode escrever sobre o carro", diz ele em tom de brincadeira, "mas não pertence a mim, ele é de um amigo."). Ele veste do uniforme de folga de um ator: camisa azul, jeans Levi's, e Nikes, com um boné de beisebol em tons de tartaruga em azul. Durante o curto percurso até Gracias Madre, descobrimos que somos ambos netos de médicos-sua avó e avô por parte de sua mãe foram médicos e que tanto nossos avós, ocasionalmente, perguntaram quando iríamos começar a ter um trabalho de verdade. Nem foi exatamente brincando.

A avó materna de Gyllenhaal, Ruth Achs, foi uma pediatra pioneira que ensinou no Centro Médico Downstate no Brooklyn. Ela morreu aos 48 anos, em 1968, 12 anos antes dele nascer. Mas ele conheceu seu avô materno, Sam Achs, muito bem. Sam era um cirurgião que viveu até os 94 anos, falecendo em janeiro de 2014. Ele era um homem-eternamente intensamente disciplinado na hora, se não mais cedo, planejava as coisas com meses de antecedência, acordava às 4 da manhã todos os dias. "Meu avô sempre usava uma gravata-borboleta, especialmente quando ele estava trabalhando", diz Gyllenhaal. "Ele foi muito lento sobre como ele iria falar, com muito cuidado. Ele salvou muitas vidas dessa maneira, ele nunca iria exagerar. Eu não herdei essa qualidade, mas eu herdei a disciplina."

Gyllenhaal traça sua ética de trabalho disciplinada de seu pai, Stephen, também. Quando ele tinha 8 ou 9, cresceu em Los Angeles, Gyllenhaal acordava de manhã cedo e ia correr com ele antes da escola. Stephen era atlético, um lutador top-ranqueado no colégio na Pensilvânia, mas também tinha um lado artístico. "Meu pai tocava viola e também estava no time de futebol", diz Gyllenhaal. "Ele cresceu em uma cidade pequena, muito religiosa, cristã. Quando ele levou para casa uma menina judia, foi uma coisa muito particular. Mas ele era sueco, e assim sempre um aventureiro. Ele é o cara que diz que se você estiver em qualquer lugar perto de um oceano e você não entrar, você está fazendo um grande desserviço. E eu sempre o senti. Se uma tempestade está prestes a vir, ele é o cara que é como, 'Olhe o quão grande as ondas são-vamos entrar nelas um pouco. '"


Esse é o lado de Gyllenhaal, que o levou a papéis difíceis exigindo intensos compromissos físicas e emocionais, incluindo interpretar o montanhista Scott Fischer em Everest de Baltasar Kormákur, que estreia em setembro, com base na malfadada expedição de 1996 que custou a vida de oito alpinistas. "Balt queria fazer o filme nos ambientes reais", diz ele. "Eu não queria estar sentado em um estúdio fazendo algum filme falso sobre o Monte Everest, e ele não fez isso."

Isso é colocar o mínimo. Kormákur filmou em IMAX 3D, no Nepal, bem como nas Dolomitas do nordeste da Itália. É aí que Gyllenhaal se juntou à produção em fevereiro de 2014. "Não havia nevado tanto em 60 anos", diz Kormákur. "Houve uma avalanche de advertência a cada dia na folha de chamada. Era esgotante." Eles estavam filmando em altitudes de 9.000 a 12.000 pés, em temperaturas que chegaram à 30 graus Celsius negativos. "Jake foi duro. Ele foi até o limite. É tudo real. Seu nariz estava congelado, sua barba congelou, e estávamos soprando mais neve sobre ele, mas ele não iria desistir. E então ele queria improvisar improvisar- em menos de 30 graus!"

Diretor de Southpaw, Antoine Fuqua-um boxeador desde os14-viu esse destemor em Gyllenhaal também. "Ele tinha a vontade de estar com dor e ir a cada dia e levar um soco e treinar e spar", diz ele. Para Billy Hope, que passa boa parte do filme "aprender que você não pode ser um pai em tempo parcial", Fuqua sabia que tinha que encontrar um jovem ator que estava em processo de se tornar um homem. "Eu pensei, merda, ele é Jake. E ninguém mais acreditou em mim."

Se os outros não podiam ver o que Fuqua viu, talvez seja porque eles estavam olhando para o Gyllenhaal de O Abutre. "Cara magro", diz Fuqua sobre seu primeiro encontro com Jake. "Fiquei chocado quando eu o vi." (Kormákur concorda: "Quando ele veio para os ensaios, ele era apenas metade do cara que eu tinha contratado.") Fuqua tinha que descobrir se Gyllenhaal poderia retratar um boxeador, então ele o enviou ao encontro de seu próprio treinador, Terry Claybon, no lb4lb academia em Los Angeles. "Terry me ligou e disse: 'Claro que não, cara. Tem certeza de que você tem o cara certo?'", lembra Fuqua. "Eu disse, 'Eu tenho cem por cento de certeza. Esse cara é especial." Quando eu disse a Jake para treinar, não era pq ele era um boxeador fantástico. Ele só tinha o desejo de fazer isso. Ele estava eviscerado. Eu disse: 'Este cara tem fogo nele.' As pessoas simplesmente não conseguem ver isso. Eles estão começando a ver agora. Jake está saindo de sua concha como um homem. "

Parte homem, parte monstro. Fuqua subia ao ringue com Gyllenhaal e o desafiava de igual para igual, e ao contrário da Associação Mundial de Boxe, as suas seqüências de luta não terminaram após 12 rounds. "Ele estava lutando mais do que um boxeador campeão faria", colega de Gyllenhaal, Rachel McAdams diz. "Ele estava fazendo centenas de round por dia para a filmagem, dia após dia." Quando os pulmões de Gyllenhaal estavam queimando e seus braços pesados, Fuqua perguntava: "Você é o cara que desiste e se senta no banquinho e joga a toalha, ou você é o único que fica lá e é uma porra de um animal?"

"Antoine me pediu para trazer para fora o meu animal", diz Gyllenhaal. Mas Southpaw também ofereceu Gyllenhaal uma chance de pesar questões de sua vida. "[Billy Hope] está em mim em uma série de maneiras", diz ele. "Há coisas que queria explorar: a idéia do que a raiva é, o que ele faz, se ele pode ser produtivo. É óbvio que é destrutivo, mas há uma maneira em que você pode utilizá-lo sem raiva, então ele pode realmente ensinar. você? "

Uma coisa que ele aprendeu é como se sentia ao ser atingido, como tomar um soco e continuar. "Eles estavam sempre jogando duro-nunca houve qualquer desistir", diz McAdams, que assistiu Gyllenhaal ser atacado durante as filmagens. "Eu estava muito preocupada com ele, mas eu sabia que ele tinha tudo sob controle."

"Eu fui duramente atingido no rosto," Gyllenhaal confirma. "Todos os produtores correram [para cima]. Eu não acho que de verdadeira preocupação por mim, mas só o fato de que estávamos apenas duas semanas filmando." Ele ri, então continua: ". Há algo chocante sobre ser atingido no rosto, não sei como explicar isso. Isso me acorda.". Estas são lições que a maioria das pessoas passam suas vidas evitando, mas aqueles que Gyllenhaal tem procurado. "Seu instinto inicial é inclinar-se para fora", diz ele. "É o instinto de se inclinar que me levou cinco meses. Bater em alguém, eu não tenho um problema com isso." Há uma outra risada baixa. "Mas eu não gosto de ser atingido."



Perto do final do jantar, sorvete vegetariano encomendado, nosso tempo de conversação para no caminho de Gyllenhaal para a idade adulta, com presumivelmente menos punição: seu bar mitzvah. Embora ele foi criado em uma família secular e estudou religiões orientais na Universidade de Columbia, ele celebrou o rito judaico da passagem aos 13 anos, ainda de forma atípica. Bar mitzvahs são assuntos muitas vezes pródigos; não era o seu. Sua família convidou seus colegas e amigos para serem voluntário em um abrigo. A idéia, sua mãe explicou, era que "ser um bom homem, se você estava indo para se tornar um homem, foi a parte mais importante disso."

Quando abro este bocado bem-circulada história da família Gyllenhaal, ele desvia. "O que ela sabe?" ele diz em tom de brincadeira, em seguida, pisca um sorriso cúmplice. A resposta séria segue. "O que mais está lá, mas a viagem de tentar ser uma boa pessoa, ou um bom homem?" Gyllenhaal pergunta. "Nesta encarnação, parece ser o meu objetivo. É uma coisa complicada, porque eu acho que a idéia do bem não subtrai complexidades, não subtrai a escuridão."

No meio do caminho, nós nos juntamos brevemente com sua irmã em sua mesa. Os paparazzi apareceram para documentar a reunião, e com a ajuda dos garçons cantores, uma partida que lembra a cena Copacabana de Os Bons Companheiros em sentido inverso se desenrola: Nós vamos sair pela cozinha na esperança de deixar em particular, sem sucesso. Um conjunto de "Louis Bloom nightcrawlers" estavam esperando. Quando Maggie entra em seu carro e, em seguida, momentos depois, Jake e eu subimos no emprestado BMW SUV, as rajadas de luzes da câmera começam(clique aqui para ver as fotos), e um fotógrafo vai até o lado do motorista para perguntar o que acaba por ser a última pergunta da noite.

"Jake... as mulheres gostam da barba, ou elas preferem bem barbeado?"

Gyllenhaal se vira para mim, pisca uma versão mais escura daquele sorriso cúmplice, e pisa fundo.

Fonte: details

Vídeo dos bastidores do photoshoot pode ser visto aqui: video.details

Novo trailer do filme Southpaw:



Bastidores do filme:



Clipe do filme:




Festival de Veneza


O filme Everest foi escolhido para abrir o Festival de Veneza deste ano, que ocorre entre os dias 02-12 de setembro.

Veneza é um dos mais importantes e mais prestigiados festival de cinema do mundo. Foi lá, há dez anos, que Brokeback Mountain começou sua trajetória de sucesso, ganhando o Leão de Ouro de melhor filme.

Por falar nisso, será a  primeira vez que Jake vai retornar ao festival desde 2005.

Fonte: variety

3 comentários:

  1. Ah eu gosto com e sem barba ...Eu amo Jake de qualquer jeito

    ResponderExcluir
  2. Sem barba e com cabelo "desarrumado" é tudo !!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado por disponibilizar notícias sobre Jack! Beijos! ♥

    ResponderExcluir