Seja bem vindo ao Gyllenhaalics, um blog totalmente dedicado ao ator Jake Gyllenhaal, que é conhecido por grandes filmes como Donnie Darko, Soldado Anônimo, O Segredo de Brokeback Mountain, Zodíaco, O Abutre e muitos outros. Obrigado pela visita e aproveite!

Jake Gyllenhaal recebe homenagem do New Eyes for The Needy

Jake Gyllenhaal foi homenageado pela New Eyes For The Needy durante a celebração do aniversário de 80 anos da ONG, pela qual ele é embaixador:









Para ver mais: IHJ


A crítica de cinema Anne Thompson conversou com Jake Gyllenhaal sobre Marcados para Morrer:

Anne Thompson: Você está em um rolo: você tem suas melhores críticas até o momento por "Marcados para Morrer" o seu mais recente filme, bem como o seu off-Broadway "If There Is I Haven't Found It Yet".

Jake Gyllenhaal: Eu não lê-los. Acho que é esmagador, o trabalho no palco ainda está vivo, então esse tipo de coisas ficam na sua cabeça. É melhor não pensar nisso, acaba afetando você, se é bom ou ruim. Então eu fico longe e faço o meu trabalho. 

AT: Você recentemente mudou a sua abordagem sobre quais projetos escolher? 

 JG: Foi uma tempestade perfeita de um monte de coisas acontecendo. A realidade da vida em si foi bater-me com força, aos 30. Não foi um cálculo. Eu tinha passado a maioria dos meus 20 anos abençoado por ser capaz de trabalhar de forma consistente. Eu cresci pensando que entendia o negócio de fazer filmes. Cheguei a um ponto em que eu disse: 'O que eu quero a minha vida? É muito mais do que a carreira. " Então, eu não coloco minha carreira antes de minha vida.

Durante meus 20 anos, eu comecei muito jovem, havia um sentimento de busca de identidade em qualquer lugar. O negócio sobre cinema apresenta-lhe uma identidade e você coloca a ela. Você interpreta personagens diferentes. Como ator, é raro encontrar alguém na minha faixa de idade, que é capaz de definir-se claramente em uma idade jovem.

Meus pais se divorciaram há dois anos, tenho duas sobrinhas agora. Eu comecei a olhar para o trabalho como uma tentativa de aprender mais sobre a minha vida ao invés de estratégias. Eu nunca pensei sobre o meu trabalho dessa maneira, nunca com um sentido de objetividade. Eu fui inspirado por um pedaço de escrita ou um diretor ou um personagem. Não era uma pergunta ou uma discussão sobre fazer um grande, um pequeno. Que realmente aconteceu: "como me sentir mais livre?" Eu estava dizendo para mim mesmo, Se eu sou abençoado com a oportunidade de fazer um bom trabalho de estúdio, ou indie, na maioria das vezes tem a ver com a interação com o diretor, para tentar ajudar o diretor para a visão que ele sempre teve. Eu tenho que fazer mais do que o esperado a partir do personagem que eu estou tentando interpretar. 

 AT: Então seus agentes na WME guiam você? 

JG: Sim e não. Há um grupo seleto que começa a fazer essas escolhas. Eu quero ser um ator de trabalho, ter a oportunidade de escolher, não é uma direção consciente, "eu não vou fazer esse tipo de filme ou isso. ' Eu faço filmes, encontrar filmes que eu possa trabalhar. Estou prestes a fazer um acordo novamente com Denis Villeneuve, "Prisoners", interpretando um detetive, eu fiz o filme dele anterior, "An Enemy". Eu quero trabalhar com grandes diretores. Eu realmente não sei se é um movimento consciente. É uma profissão estranha, às vezes absurdas, atuar. É realmente um ofício, ele pode ser facilmente postos de lado, como um negócio, longe do ofício. Você pode objetivar a si mesmo, a arte de atuar, ser capaz de observar e objetivar, observar a si mesmo, dar-lhe forma, e cair de volta para ele novamente. Uta Hagen foi o primeiro a dizer que um personagem acaba se tornando você. Isso é o que um ator é. Como resultado, você pode fazer isso em uma carreira. É importante ser esclarecido e inteligente e estar envolvido em coisas que você gosta e acredita profundamente. O que funciona é o cuidado que você faz. É onde eu estou. 

Eu disse a mim mesmo, "há tantas coisas maravilhosas que vêm de fora para tirar e compreender e explorar a si mesmo, internalizando ". Eu entrei nessa porque eu adoro atuar com atores, como um ator de equipe, que é o que eu quero ser. Eu queria me dedicar a algo que realmente mudou minha vida. Eu quero fazer filmes onde eu vou aprender sobre a vida, ser um estudante para sempre. 

 AT: Como é que "Marcados para Morrer" jogou neste período? 

 JG: Eu sentei com David Ayer. Ele disse: "se você quiser fazer este filme, você tem que dedicar a sua vida. Ele vai afetar a sua alma. " Na época, essa era a razão pela qual eu fiz o filme, que tem sido comercializado como um grande filme de ação do gênero policial. Em última análise, não é verdade, este filme é sobre a relação entre dois sujeitos e o quanto se amam e fariam qualquer coisa para o outro. É por isso que eu fiz o filme, era o coração dele. O sentido de originalidade é o que me inspira a fazer algo quando leio algo, não se é um filme de gênero policial. Não é para aprender a segurar arma e atirar. No início, esta ideia tem um coração enorme, Davi estava envergonhado com o que ele escreveu, que era para mim.  

AT: Você estava imerso no ambiente policial? 

JG: Nós patrulhamos em todos os momentos com quatro conjuntos de parceiros. Três deles tornaram-se nossos melhores amigos, são os meus amigos mais próximos, recebo mensagem deles. Um me mandou uma foto no outro dia de uma arma que tirou de um cara do cartel, a mesma situação no filme. Estávamos constantemente cercado por eles, na patrulha, eles vinham enquanto estávamos filmando, como família, animados durante todas as filmagens. Foi real para nós, estávamos gravando um filme, estamos juntos o tempo, durante 22 dias. Eles ainda estariam com a gente, era como se nos fosse dada a nossa viatura própria. Nós tivemos que dedicar a nós mesmos para a essa idéia em nossas absurdas mentes de atores. 

AT: Quanto tempo de filmagem? 

JG: 135 horas de filmagem em 22 dias. Mike Pena está dirigindo, há um equipamento de som lá, microfones no carro, para uma única tomada, há um microfone interno, para duas cenas há pequenas câmeras no painel. Mike e eu poderíamos fazer essas cenas como em uma peça, centenas de vezes ensaiadas, nós fizemos cenas na parte de trás do carro da polícia durante as patrulhas. Mike e eu, enquanto estávamos sendo filmados, tínhamos de ser assim em nosso jogo, durante o dia e à noite, com um equipamento de iluminação em cima do carro. Mike dirigiu o tempo todo. Estávamos ensaiando há cinco meses. 

Ele[Dave] queria 24 dias, mas nós tínhamos 22, ele queria gastar dinheiro em ação. Ele tinha três tomadas para o primeiro tiroteio, ou então estava fodido. 

 AT: Quanto foi improvisado? 

JG: 15% são de improvisação, o resto é totalmente escrito por Dave. Coisas que gostaríamos de acrescentar aqui e ali, pequenas coisas, como em uma cena, "Eu tenho que explicar e colocá-lo em espanhol?" Isso é tudo improviso, seja qualquer porra, em uma cena muito formulada. E nós voltávamos e tínhamos que fazer aquela cena, cenas flip flop, correr, correr, todas essas cenas. 

AT: Durante quanto tempo as câmeras ficaram rolando? 

JG: As câmeras digitais. Poderíamos filmar por 20 minutos ou mais. Nós parávamos e mudávamos de turno. Ele[Dave] exagerou, ele filmou com câmeras de celular no banco de trás. Nós interagíamos com as pessoas, pegávamos a câmera de vídeo e filmamos a interação com alguém, sempre pedindo permissão. Algumas coisas não acabaram no filme. O que nós estávamos fazendo era definitivamente andando pelas linhas. Nós estávamos tentando viver o máximo de experiência possível, nunca tivemos que referir ao roteiro, sempre sabíamos onde estávamos. Tínhamos 22 dias para filmar o filme, estávamos prontos, como um exército com um plano. Estávamos ensaiados e pronto para ir, Anna [Kendrick] e eu e Mike. Ela é incrível. Nós a amamos. 

AT: Você não se esgotou? 

JG: Bem, é uma definição diferente de exausto. Tendo trabalhado com os policiais, você se sente revigorado por essas coisas, a criatividade não se cansa, só inspira, energiza, eu acho que é a coisa, quando você encontrar-se exausto, às vezes, você põe tantas horas e dormir tão pouco, fisicamente é assim. Mas este estado de espírito é alegria, recentemente, para mim, não parou. Eu trabalhei tão duro no processo de pós-produção. As relações foram tão comprometidas com os atores e os conselheiros técnicos, todos os caras com quem trabalhamos. Nós não falamos sobre o filme, falamos sobre nossas vidas, o que está acontecendo, é inspiradora a cada dia. 

AT: O que mudou? 

JG : Minha filosofia sempre foi a de ser um trabalhador diligente, ter uma boa ética de trabalho, mais do que qualquer coisa. Agora é, "como pode o que eu faço, ou um filme que sai, que relações posso fazer, estar na vida das pessoas que me importa, como é que vai ficar na minha vida, quando ele sai? Lendo comentários que não me interessam, eu sei o que eu fiz, eu comecei o que eu quero, eu estive totalmente comprometido.

AT: Você canalizou mais de seu lado escuro? 

JG: É claro que eu não estou correndo dele, não. Estou aceitando. Eu sempre fiz isso, só porque você gosta de ser boa pessoa e respeitado, pensando sobre eles fora de si mesmo, não significa que você está correndo da escuridão. Eu sempre abracei isso, interpretando Donnie Darko. Para sugerir que um ser humano é mais complicado do que as pessoas assumem objetivamente é uma avaliação justa. Você vai ver no futuro coisas mais vão surgis e isso vai surpreendê-lo. Isso acontece o tempo todo.

Fonte: Indiewire

2 comentários:

  1. Ai que lindo !Está com uma cara tão alegre ,huumm!!
    É o amor kkkk

    ResponderExcluir
  2. Ótima entrevista... tomara que no dvd do filme tenha os extras com essas filmagens q nao entraram no filme, vai ser bem legal :D

    ResponderExcluir