Seja bem vindo ao Gyllenhaalics, um blog totalmente dedicado ao ator Jake Gyllenhaal, que é conhecido por grandes filmes como Donnie Darko, Soldado Anônimo, O Segredo de Brokeback Mountain, Zodíaco, O Abutre e muitos outros. Obrigado pela visita e aproveite!

Entrevista para a revista Esquire

Cinco anos atrás, Jake Gyllenhaal, querido indie, virou um galã mainstream, fez um balanço em sua vida e carreira e decidiu que ele tinha tomado um rumo errado. Hoje, ele é mais uma vez a estrela aclamada de alguns dos filmes mais interessantes do cinema americano. E em seu novo filme, Southpaw, ele entrega seu mais contundente desempenho.



Jake Gyllenhaal e eu estamos sentados um diante do outro no Hotel Casa del Mar em Santa Monica, Califórnia.

O garçom nos levou longe da multidão do café-da-manhã para uma mesa isolada no canto, rente contra as janelas, com vista para a areia e o mar. É um cartão postal lá fora- surfistas felizes, skatistas e bladers - com o sol a dançar sobre as ondas.

Não aqui, no entanto. Não muito.

Jake olha despenteado, possivelmente cansado, e neste momento, talvez até um pouco decepcionado. Ele veio para conversar. Ele gosta de falar. Mas então lhe perguntei uma pergunta sobre a educação dele, e agora, ele parece cético sobre o que estamos tentando aqui, todo o negócio desta "entrevista".

"Uma coisa que aprendi há muito tempo atrás", diz ele, "é se alguém tem uma história que quer escrever, eles estão indo para escrever, e não há nada que possa fazer. Talvez posso entrar em quatro ou cinco palavras em uma linha que é minha, mas ... "

"Você acha que está acontecendo aqui?", pergunto. "Que já vim com uma intenção e não há nada que você possa fazer para mudar isso?"

"Bem, isso é verdade?"

"Não!"

"Pode ser assim. Tem sido."

"Bem, vamos pelo menos tentar não fazer isso."

"Eu adoraria isso. Acredite em mim. "

Pessoas que trabalharam com Gyllenhaal falam mais do que qualquer coisa sobre a sua disciplina, seu compromisso e sua necessidade de ir até os limites e tentar algo novo. Isto é o que ouvi de quatro diretores, dois atores e um dramaturgo. Eles usam palavras como "sério", "preparado" e "intenso". Eles comentam sobre como "ele realmente vai para tudo". Aparentemente, em conjunto, Jake é o único a pedir para fazer mais um take e sugere mudar o script com o diretor, até mesmo, as vezes, totalmente novas cenas.

Como seu amigo e diretor Denis Villeneuve diz: "É um desafio trabalhar com Jake. Mas é um grande desafio. Ele gosta de ir fundo no material. "

Hoje, esse material é esta entrevista. Algumas pessoas podem se aproximar de uma entrevista com um estranho atrás de uma máscara, fazendo um esforço notável para ser agradável acima de tudo. Mas Gyllenhaal não é um fã de apenas ser "bom" por causa "do bom". Ele nunca é rude, mas há uma inquietação sobre ele, você pode ver seu cérebro correndo. Ele quer falar, mas não sobre o absurdo e buço. Houve um plano para sair e dar uma caminhada, talvez ter uma dirigir ou andar a pé ao longo da praia. Mas isso não era para ele. Dirigir em torno não iria me ajudar a conhecê-lo, e é por isso que estava lá, não é? Não, ele preferiria apenas falar, em algum lugar que onde não seria incomodado, se está tudo bem.

Então, aqui estamos nós, dois homens que bebem água engarrafada em um canto deserto de um restaurante de um hotel. Estamos efetivamente sozinhos. Todas as outras mesas estão vazias, e não há garçom pairando com os pratos do dia. Nenhum de nós sequer olha para um menu. É tão gritante como um jogo de Beckett. E é assim que ele gosta.

Há muito o que falar.

Agora com 34 anos, Jake vem de cinco anos em uma corrida notável de filmes, igual a qualquer ator de sua geração. Não que ele não era uma força antes - com créditos como Donnie Darko (2001), O Segredo de Brokeback Mountain (2005), Soldado Anônimo (2005) e Contra o Tempo (2011) - mas havia blips, como O Dia Depois de Amanhã (2004) e Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo (2010). Ele estava na casa dos vinte anos. "Eu aceitei as coisas porque eram empregos", ele encolhe os ombros. "Quero dizer as pessoas estão lhe pagando, você tem 26, você está brincando?"

Então algo tectônico aconteceu. Suas prioridades de deslocaram e sua perspectiva mudou. "Eu acordei um dia e não estava na sala certa", diz ele. "Era como uma música de David Byrne: 'Isso não é minha linda casa. Isso não é minha linda esposa.'"

Então, ele mudou a sua vida, a forma como homens às vezes fazem com cerca de 30. Ele se mudou de sua cidade natal, Los Angeles para Nova York e perseguiu o teatro. Ele escolheu filmes independentes de orçamento menor, mais escuros, com temas mais desafiadores. Ele chama isso de "uma coisa crescente". E agora um novo Gyllenhaal emergiu; ainda com as características de menino, os olhos grandes e um sorriso largo, mas ele é mais velho agora, mais determinado. Seus sulcos de expressão aprofundaram. Os blips são história: todos os filmes que ele faz agora é digno de sua atenção. Não há blockbusters, ação-aventuras ou histórias de amor bonito, não mais. Ele faz filmes para adultos. Numa época em que a televisão está cada vez mais roubando o manto do cinema em termos de narrativa sofisticada para adultos, a marca Gyllenhaal é o antídoto.

A mudança começou com Marcados para Morrer (2012), uma história comovente sobre dois policiais no sudeste da LA, uma experiência que ele diz "redefiniu para mim como queria fazer filmes." Em seguida veio O Homem Duplicado (2013), um thriller sobre a identidade dividida e loucura dirigido por Denis Villeneuve. Gyllenhaal gostou de trabalhar com "De-nee", como ele pronuncia seu nome de batismo, que antes de que O Homem Duplicado estivesse na lata, ele já tinha o compromisso de estar em  um segundo filme dele, Prisoners (2013), uma história triste e emocionante sobre tortura, assassinato de crianças e obsessão. Então, no ano passado, ele produziu e estrelou em O Abutre, uma acusação brilhante sobre a sociedade americana através do personagem de Louis Bloom, um sociopata e feral capitalista que sobe no grime de LA para estabelecer sua própria equipe de serviço para canais de notícias de TV que tem o objetivo de capturar em primeira mão filmagens de cenas de crimes. Como ele se esquivou de uma indicação ao Oscar por esse papel é um mistério.

A corrida continua este ano. Ele é um ator em um rolo.




Começando em ordem inversa, há Demolition neste inverno, um estudo sobre a tristeza, ao lado de Chris Cooper e Naomi Watts (Gyllenhaal interpreta um cara de Wall Street que é afetado excepcionalmente pela morte de sua esposa). Antes disso, em outubro, Everest que conta a épica história real da escalada trágica ocorrida em 1996 baseada no livro no Ar Rarefeito de Jon Krakauer (ele interpreta Scott Fischer, o guia morto no acidente).

Mas, primeiro, em julho deste ano, é Southpaw, um filme de boxe tradicional. Ele interpreta o lutador fictício Billy Hope, que está no auge, perde tudo, antes de lutar para voltar aos trilhos através de uma montagem ao som de Eminem. O treinador (Forest Whitaker) é um velho sábio perdedor. Isso o motiva, mas por baixo há uma história de vergonha, raiva e redenção. A raiva de Billy Hope deu a ele uma fortuna no ringue, até que um dia, fora dela, custou tudo o que importava para ele.

"Ele é um cara que não poderia lidar com sua própria vergonha", diz Gyllenhaal. "O diretor Ed Zwick [ Love & Other Drugs (2010)] me disse esta coisa maravilhosa: 'Tudo o que você aprende é através da vergonha' é tão verdadeiro. Há aqueles momentos em que você enfrenta humilhação, e é tão libertador que você pode obter algo através deles. "

"O que você aprendeu através de vergonha?", pergunto.

Ele sorri. "Eu aprendi muito. Mas exemplos específicos? Eu não quero revelar isso."

A performance de Gyllenhaal é um destaque. Como esperado, ele vai com tudo, em todas as frentes. Seu físico conta a história de como ele é sem dúvida o maior lutador da história do cinema. E ele nunca é menos do que convincente. Que é ainda mais impressionante, dado que Jake era nem mesmo um fã do esporte antes.

"Eu não fiz um filme de boxe por fazer um filme de boxe, se você sabe o que quero dizer", diz ele.

"Deixe-me lhe falar sobre o compromisso dele", diz o diretor de Southpaw Antoine Fuqua, que na verdade já  treinou como um boxeador. "Quando ele veio pela primeira vez para mim, eu disse, 'Você luta boxe? E ele disse: '[artes marciais mistas] Não realmente, apenas um pouco de MMA para Marcados para Morrer". Então, o mandei para ver Terry Claybon, que treinou Denzel [Washington] para The Hurricane. E quando Jake deu um soco, Terry disse: "Claro que não! Ele não pode lutar boxe!" Agora olhe para ele. Ele realmente pode lutar. Aquele homem treinou como um animal."

Foi um treinamento de duas sessões de três horas por dia, sete dias por semana durante quatro meses. Ao longo do caminho, Fuqua o levaria para academias de ginástica, para encontrar os managers e promoters. "Nós vimos a luta de Pacquiao [v Bradley], treinamos na academia do Mayweather em Las Vegas", diz ele. "Jake deu tudo o que ele tinha para viver a vida de um lutador. Isso é um sacrifício. Ele ainda terminou com sua namorada, porque ele estava no ringue todos os dias! "

A filmagem foi tampouco uma moleza. Jake foi colocado em um ringue, onde pros iriam atingir as costelas dele e dar soco na mandíbula para as seqüências de luta, enquanto uma multidão de extras gritou para ele a partir do ringue.

"Eu poderia dizer que ele estava sofrendo", diz Fuqua. "Mas nós nunca usamos o dublê dele. Jake fez o que um lutador faria, ele foi para as cordas e disfarçou. Ele estava improvisando seqüências de luta."


A verdade é que ele adora essas coisas. O ginásio, especialmente. Jake é um tipo cerebral que gosta de se aventurar em abstração e ideias, apesar de que hoje é, em parte, uma maneira de evitar falar sobre sua vida pessoal (ele é ferozmente privado). Mas ele também se descreve como "muito físico". Ele gosta de transformar seu corpo para um papel, seja lá o que requer. Interpretando Billy Hope, ele ficou musculoso, mas para O Abutre, ele perdeu mais de 10 quilos. Seu personagem neste último é uma figura macabra, emagrecida, para isso ele parou de comer e correu 15 milhas para os sets todos os dias. Isso o deixou paradoxalmente irritável e encantado.

"Fisicalidade é um caminho para o estado mental de um personagem", diz Gyllenhaal. "Eu fico desligado quando sei que a minha energia mudou. Meu lado técnico está indo, 'Sim, você é um pouco de um maníaco, mas você sabe como mantê-lo em cheque". Mas não é como este é um grande negócio. É tudo Louis CK coisa, [sobre] quando as pessoas dizem que estão "morrendo de fome". Talvez você devesse repensar essa palavra? Você teve uma refeição há quatro horas!"

Uma das coisas que ele gosta sobre a transformação física é que é preciso disciplina, talvez sua palavra favorita.

"A liberdade é do outro lado da disciplina", diz ele. "Esse é o meu mantra. Nada vem fácil se você estiver indo para fazê-lo bem." E isso não basta para o aspecto físico, mas para todo o processo de preparação para um papel. Ele se joga nele. "É o que eu mais amo sobre o meu trabalho."

Ele descobriu isso em Marcados para Morrer, quando ele e o co-star Michael Peña passaram seis meses com policiais e xerifes de LA, para uma filmagem de 22 dias. Ele nunca tinha ido tão longe antes. Eles se depararam ao longo com cenas de crime, eles ouviram balas passar perto de seus ouvidos, eles viram pessoas mortas.

"Algumas vezes, quando eu estava com uma roupa, usando um colete Kevlar e pensei, 'Vamos lá, nós estamos fazendo um filme!" Você sabe? ", diz ele. Mas, ao mesmo tempo, ele amava tanto que isso mudou a vida dele. "Eu nunca me senti tão bem sobre estar em Los Angeles como quando estava em East LA trabalhando com agentes da polícia. Só de estar naquela cultura, especialmente a cultura hispânica. Foi incrível. "

Para este dia, um de seus melhores amigos é um ex-xerife de Los Angeles.

Desde então, ele se aproximou de cada filme com o mesmo espírito de imersão total. "Ele conecta você com o que está realmente acontecendo", diz ele. "Como ator, é fácil ficar desligado da realidade, mas também poder passar cinco meses em um ambiente que a maioria das pessoas nunca iria conseguir acesso. Então, é realmente uma ótima maneira de se engajar com o mundo. Eu não estou dizendo o que atravesso se compara ao que policiais ou boxers reais experimentam todos os dias. Há uma hierarquia de importância, e os atores são de um modo lá em baixo. Recebo que o meu trabalho é um absurdo. Eu sou hiper-consciente de como é ridículo. Mas, ao mesmo tempo, eu o levo extraordinariamente a sério! Porque tão absurdo como é, ele também pode gerar empatia ".

É por isso que ele se prepara tão intensamente, porque para Gyllenhaal, a empatia tem algo molecular, qualidade, mesmo místico. "Acredito profundamente no inconsciente", diz ele. . "Que você literalmente acumula moléculas do espaço em que você está. Nós somos como 90 por cento de água, então naturalmente nós vamos ser afetados pela lua quando está cheia: se o mar é, por que não nós? Isso parece científico para mim. Então, se você passar tempo suficiente em qualquer ambiente em que seu personagem iria existir - do jeito que eu passei seis meses com policiais -, então as moléculas daquele ambiente devem transferir alguma forma. E, em seguida, colocá-lo na tela, e as pessoas dizem 'Eu sinto algo que eu normalmente não sentia."

O que isso equivale a um dia de filmagem é um ator que é quase zeloso em seu compromisso. Ele coloca tudo em cada cena. Em O Abutre, o roteiro não exigia que ele desse um soco no espelho em um acesso de raiva, mas ele fez isso de qualquer maneira, e cortou a mão. Em Prisoners, ele agarrou a parte de trás do caminhão de Hugh Jackman como ele se afastou e foi arrastado por uma distância. Isso não foi escrito em qualquer lugar. Não era nem mesmo dentro da tomada. Em O Homem Duplicado, há uma cena onde o personagem de Gyllenhaal está telefonando para o seu sósia, alguém que se parece com ele, e ele não tem certeza se é real ou ele está perdendo sua mente.

"Tivemos que filmar 45 vezes", diz Denis Villeneuve. "Eu apenas mantive a câmera gravando e ele estava andando pelo quarto, fazendo isso de novo e de novo, como um mantra. Ele estava tentando encontrar algo caótico, perder o controle. E depois, havia algo tão vulnerável em seus olhos. Suas mãos tremiam, ele tinha ido tão longe. Para mim, Jake é como um mergulhador: ele vai fundo, no fundo do inconsciente ".

Isto é em parte obra de Chris Cooper. Quando Gyllenhaal co-estrelou com ele em Céu de Outubro , em 1999, o jovem ator pediu um conselho para o veterano. "Eu disse a ele, não tenha arrependimentos quando você deixa uma cena", diz Cooper. "Não deixe nada em cima da mesa. Este é um negócio muito competitivo, e para a maioria das pessoas é curto."


Gyllenhaal levou a sério. Ele jura por tudo. Um caso em questão: a filmagem para Everest no ano passado. O diretor Baltasar Kormákur, uma figura Herzogian, decidiu que iriam filmar em condições realmente traiçoeiras a 4.000 m até a cordilheira Dolomite na Itália, onde estava -30 °C. Era uma cena em que o personagem de Gyllenhaal morre de hipotermia, por isso ele jazia envolto na neve, essencialmente embalado em gelo. "Ele quase perdeu a audição", diz Kormákur. "Seu ouvido interno estava congelado. Seus cabelos narina foram congelados. E ele não estava mesmo recebendo sendo bem pago! "

O diretor descreve Gyllenhaal como "um pouco de um excêntrico". Ele o tinha contratado para colocar uma energia diferente em seu elenco, e Gyllenhaal trouxe isso ao extremo. "Ele provavelmente vai me odiar por dizer isso, mas ele me fez lembrar do personagem de Edward Norton em Birdman. Brilhante quando ele está agindo, mas estranho no meio, você sabe? Ele tem um grande senso de humor, mas não é politicamente correto, necessariamente. Como quando ele faz o divertimento do sotaques das pessoas, e ele pode ir nessa direção, é realmente muito corajoso. Ele recebe passe livre porque é sempre de uma forma amorosa. "

Houve momentos, no entanto, quando Gyllenhaal pressionou seus colegas atores, e não é sempre bem recebido no início.

"Houve alguns momentos cabeludos", diz Kormákur. "Eu pensei, oh meu Deus, pra onde isto está indo? Porque se Jake sente que um ator não está dando a ele o que ele precisa, se ele sente que não está realmente lá, ele vai dizer isso. E, às vezes, ele mesmo diz depois, "Desculpe, eu era um idiota." Ele está ciente disso, mas você gostaria de estar com um cara que está sempre sorrindo e rindo, e nunca fala sobre algo sério? Ou seu amigo é um pouco difícil, que não tem medo de discutir com você? Eu prefiro as pessoas com mais largura, e isso é parte de seu processo. Atuar é um trabalho tão estranho, tudo o que você precisa para chegar lá está bem para mim. Jake precisa bagunçar as coisas. É como se ele precisa entrar em apuros antes para que ele possa descobrir por si mesmo."

A pergunta que fiz que o fez franzir a testa de modo negativo, não foi o que pensei que poderia incomodá-lo: aquela sobre fazer sexo oral em Naomi Watts em Demolition . Jean-Marc Vallée, o diretor, um franco-canadense como Villeneuve, riu e me disse: "Pergunte a ele sobre isso, vai ser engraçado." Não era. Gyllenhaal calmamente aparou de uma forma profissional. "Eu entendo a curiosidade, mas, honestamente, essas perguntas, eu encontrá-las tão chatas. Porque o que eu disser não vai ser respeitoso com a situação. E eu não quero tirar a magia da coisa que você vai ver. "

A pergunta que realmente o fez recuar era essa: "Sua infância parece mágica, como se fosse o Oscar em sua cozinha a cada manhã: foi?" Evidentemente, ele ouviu essa caracterização de sua educação com tanta frequência agora que o irrita. Fá-lo soar como um filho mimado de Hollywood, para os nascidos em mansões em termos de show business. E em papel, que é como parece. Ambos seus pais eram da indústria: sua mãe Naomi, um roteirista e produtor indicado ao Oscar, e seu pai Stephen, um diretor. Como resultado, os irmãos Jake Gyllenhaal, e Maggie (três anos mais velho) cresceram em torno desse elenco extraordinário Hollywood. Jamie Lee Curtis como uma madrinha, Paul Newman um amigo da família, que o levou para corridas de carros com a idade de 12. Ele conheceu Sidney Lumet, Martha Plimpton e River Phoenix. E no quarto acima da garagem viveu um jovem Steven Soderbergh, e depois dele, Ethan Hawke .

"Eu tive uma criação maravilhosa, não me interpretem mal," ele diz, com firmeza. "Mas eu não olho para o mundo através de um óculos cor-de-rosa. Não fui criado para ser separado da realidade ".

Por exemplo, eles não viveram em Beverly Hills, mas no flanco oriental da cidade, onde se reúne Koreatown Hancock Park, uma esboçada parte da cidade da década de oitenta. Ele pode ter estudado no maior colégio de elite do ensino médio da cidade, Harvard-Westlake, mas os Gyllenhaals não foram cheios[de dinheiro], não para os padrões de LA. O pai compraria uma casa e a reformava sozinho. Trabalho nem sempre foi fácil de encontrar. "Lembro-me de que meus pais fizeram duas ou três coisas consecutivamente, mas a partir de então em diante, eles estava apenas tentando obter algo para  ser feito e na maioria das vezes não tiveram sucesso."

Ele era um adolescente selvagem, "uma bagunça", diz ele, mas ele também era um ator, por isso a sua festa rapidamente deu lugar aos rigores de testes e sets de filmes. Ele fez seu primeiro filme com 10 anos, atuando ao lado de Billy Crystal em City Slickers (1991), e pelo tempo que ele chegou à Columbia University de Nova York, onde estudou budismo tibetano e misticismo oriental, ele estava tão na demanda que ele teve que sair depois de dois anos.

Hoje, ele olha para trás com carinho. Porque na universidade, com idade de 20, ele estava em seu sulco na vida, fazer teatro, que ele ama, e fazer filmes que rimavam com a vida que ele conhecia na época. Ele era um adolescente confuso quando fez Donnie Darko, a história de um adolescente confuso que se alucina com a figura de um cara com uma roupa de coelho chamado Frank.

Mas, como as ofertas aumentaram, ele cada vez mais fez filmes que tinham cada vez menos a ver com quem ele era ou o que ele se preocupava: "Eu estava ouvindo outras pessoas, em vez de mim", diz ele. E é assim que ele acabou no "lugar errado", há cinco anos.

Agora, ele voltou para a ranhura de seus Donnie Darko anos, em busca de scripts que, como ele diz, "imitam um tom ou timbre de onde estou". E ele tem pelo menos um par de pessoas para agradecer por tê-lo de volta aos trilhos - seus pais e Bruce Springsteen.

Foi o divórcio de seus pais em 2009 que finalmente convenceu-o a mudar-se para Nova York. Seu pai casou-se novamente, e sua mãe se mudou para Manhattan, onde a irmã Maggie estava morando por muito tempo com o ator Peter Sarsgaard e suas duas filhas. Então Jake se moveu para a costa leste para se juntar ao clã. E imediatamente, era mais fácil pensar direito. Era bom para escapar de sua antiga vida, a claustrofobia do show business em Los Angeles, onde "as vezes, amizade e trabalho ficam entrelaçados de forma confusa".

Chris Cooper suspeita que ele estava fugindo celebridade cultura . "Eu acho que Jake já estava cheio disso", diz ele.

Mas Jake não vê Nova York como muito melhor do que LA nessa frente. "É fácil dizer, 'Oh, LA é dessa forma e NY é assim', mas vamos ser honestos. Especialmente hoje, com todos os telefones celulares. É mais sobre apenas estar longe de Hollywood", diz Gyllenhaal. "Chris é alguém que eu admiro, e ele vive em Massachusetts. Sua vida é separado do seu trabalho, e isso é algo que eu quero cultivar, também. "

O divórcio de seus pais também solicitou o pensamento: "Eles estão seguindo o que eles querem fazer, mesmo que seja difícil. Então, o que eu quero "Não foi muito diferente a uma pergunta que Bruce Springsteen perguntou a si mesmo ao fazer o álbum 1978 Darkness on the Edge of Town, de acordo com o documentário The Promise: o Making of ... (2010), que Jake assistiu por recomendação de seu agente. Ele fez um impacto profundo.

"Houve Steven van Zandt dizendo que ele poderia escrever 25 canções pop incríveis, e eles poderiam ter tido cinco álbuns de sucesso enorme", diz ele. "Mas Springsteen era como, 'O que eu quero? Quero expressar algo que vem de mim, que se sente como eu. 'Então, me perguntava a mesma coisa. Além do dinheiro ou fama ou o que quer, o que eu gosto? E também, quem pode querer trabalhar comigo?"


Aqui está uma foto de Gyllenhaal em Nova York.

Ele está dançando nas ruas do centro de Manhattan, com seus fones de ouvido. E ele está recebendo alguns olhares engraçados. Quem é esse cara? O que está acontecendo? Nem todo mundo percebe que é uma cena de Demolition, e o diretor Jean-Marc Vallée está filmando-o de longe.

Mas é uma imagem apropriada para Jake; ele é mais feliz para o leste. Ele faz jus a rua com seu pastor alemão. Ele aparece na casa de sua irmã em uma base regular. E ele está fazendo teatro, novamente, um grande componente de sua nova vida. Até agora, ele já fez duas peças, ambos do dramaturgo Inglês Nick Payne. A mais recente, Constellations, terminou uma temporada de quatro meses na Broadway em março.

"Às vezes, os atores fazem Broadway por razões cínicas", diz Payne. "Há uma percepção em Hollywood que fazer um peça prova que você é um ator sério. Mas a minha impressão é que Jake realmente ama teatro e  que ele vai fazer uma peça a cada dois anos ".

É verdade. Não há praticamente nada que ele não gosta sobre o teatro. Trata-se do ensaio, que é a preparação, a sua parte favorita. Como um cara regular, ele começa a caminhar para o trabalho todos os dias, uma clara separação entre vida e trabalho. E ultimamente, teatro lhe permitiu trabalhar com os britânicos, que são, sem dúvida, sua nacionalidade preferida, mesmo mais do que dos americanos. "Eu sou um anglófilo", diz ele. "Praticamente todos os meus amigos são britânicos."

Ele vai voltar para casa dos vinte anos, novamente, a era Donnie Darko. Ele estava fazendo uma peça no Teatro Garrick no West End de Londres -  This Is Our Youth em 2002 - e ele encontrou o britânico particularmente encorajador. "As pessoas me disseram: 'Você é bom nisso, você deve continuar fazendo isso.' Havia uma sensação de potencial lá", diz ele. "Você não tem que ser o melhor absoluto, mas eles sentiam o cheiro de talento e eles apreciavam, contanto que você se comprometeu."

Depois da peça, Donnie Darko saiu, e enquanto ele não tinha sido um fracasso na América exatamente, ele estava longe de ser um sucesso. Mas na Inglaterra, uma história diferente. "Artistas de rua estavam fazendo arte sobre isso, ele teve esse culto seguinte. Houve uma resposta tão diferente. O público britânico foi o primeiro grupo que realmente me entendeu como um artista. "

É irônico, digo a ele. Normalmente, atores ingleses se mudam para os Estados Unidos por causa do senso potencial, substituindo o pessimismo Inglês pelo otimismo americano. E ele ri. "Eu não sei. Talvez o inglês pode sentir meu pessimismo! "

Outra característica Inglês tem, é que ele diz, "Ostentando coisas é embaraçoso para mim." Uma das coisas que ele notou fazendo Constellations foi que na Broadway, ele tinha uma ovação de pé todas as noites. E isso o deixava inquieto. "Eles nunca fazem isso no Reino Unido", diz ele. "E isso me faz sentir bem. A O. de pé é como exibir o seu aplauso! "

Sua co-estrela britânica na peça, Ruth Wilson, não podia dizer coisas boas o suficiente sobre Gyllenhaal. Ela chegou a conhecê-lo muito bem durante a temporada. Todas as noites, eles eram os únicos no palco, fazendo 65 cenas em 70 minutos, cobrindo cada permutação possível de uma relação entre duas pessoas. Após o show, eles saíam para jantar com os amigos. Gyllenhaal convidou-a para as comemorações de Natal de sua família.

"Ele é muito generoso", diz ela. "Ele se importa. Não apenas sobre o trabalho, mas sobre as pessoas. Se eu estava doente, ele me fornecia pílulas e recomendava um médico. E ele realmente leva você para o mundo dele. Ele nasceu no show business, ele conhece todo mundo e tudo sobre ele. Mas ele inclui você. E eu quero dizer, ele é realmente um grande cantor. Tínhamos que aquecer todos os dias, cantando no palco e ele sabe todas as letras das músicas de Drake. E Motown e Springsteen. Ele sabe as canções de musicais também. Fomos jantar com meu tio, que coloca musicais em seu centro comunitário de Norfolk, e ele e Jake estavam cantando músicas de musicais um para outro no meio de Balthazar. Ele realmente deve fazer um musical."(E ele vai. Neste verão, ele está em The Little Shop of Horrors no Lincoln Center, em Nova York. Os aplausos vão continuar.)

Não foi fácil, porém, trabalhar com Gyllenhaal. Fácil não é seu estilo. Ele desafiou Wilson noite após noite." Apesar de quatro semanas de previews, ele continuou exigindo que deveríamos encontrar a verdade, e mudar o material quando se sentia velho", diz ela. "E nós discutimos. Nós fazíamos isso a cada semana. Nós brigamos e, em seguida, fazíamos a peça e estava tudo bem. Foi intenso e íntimo. Nós nos tornamos como irmão e irmã."

Jake reconhece tudo isso. Ele é confortável com o confronto, quando tem a ver com o trabalho. E geralmente é. Mas hoje, ele está se perguntando sobre a nossa entrevista. Esse é o trabalho na mão.

A multidão do brunch foi embora. Tudo o que resta é nos dois no canto, com fome e exaustos. Mas Gyllenhaal não terminou. Ele está olhando para fora da janela, mexendo no telefone através de braços cruzados sobre a mesa.

"A coisa é, você nunca vai me conhecer em duas horas", diz ele. "Se você quer fazer isso corretamente, é preciso passar dois meses. Mas podemos continuar a falar. Existe algo que nós já conversamos sobre isso que te excita, que você pode escrever sobre? Talvez eu possa dar-lhe mais algumas informações..." 

Fonte: esquire.co.uk

Nenhum comentário:

Postar um comentário