Seja bem vindo ao Gyllenhaalics, um blog totalmente dedicado ao ator Jake Gyllenhaal, que é conhecido por grandes filmes como Donnie Darko, Soldado Anônimo, O Segredo de Brokeback Mountain, Zodíaco, O Abutre e muitos outros. Obrigado pela visita e aproveite!

Velha entrevista

Dando continuidade ao assunto da última postagem, sobre o filme Zodíaco, encontrei uma entrevista antiga de Jake Gyllenhaal durante o lançamento do filme no Festival de Cannes:



É sempre um prazer encontrar você. Estamos aqui no sul da França e, portanto, é neste momento uma alegria ainda maior. Como é para você? É a primeira vez no Festival de Cannes, certo?

Sim, esta é minha primeira vez aqui, é ótimo, eu acho que é ótimo. Eu sempre quis dar entrevistas perto do mar. Nós não estamos na luz solar direta, mas quase. Pelo menos, estamos fora, temos um grande momento e aqui é ótimo.


Sim, é um lugar fantástico, eles estão experimentando isso hoje à noite no tapete vermelho. Há neste festival uma dinâmica muito especial, algo inesquecível. E tão memorável é o filme de Fincher, "Zodíaco". Você pode mergulhar em relação a ele em tanta informação sobre o que aconteceu naquela época, o que é verdade o que foi alardeado ... Você internalizou todas essas coisas?

(Pensa) Não eu pessoalmente, mas o personagem que interpreto. Eu tive problemas, tanto tempo para gastar em algo, de uma maneira que no final só olha destrutivo. Eu tenho compensações demais em minha vida que me impedem de ir tão profundo em algo que iria destruir tudo ao meu redor, como aconteceu com o meu personagem no filme. Em parte, provavelmente, porque eu lido mais com paixão do que com a obsessão. Eles partem tanto da mesma fonte, mas é sobre a paixão pelo desconhecido, para viver, para ser cumprida por eles e tirar força. Este é geralmente o mundo emocional. Em contraste, a obsessão, por assim dizer, a negação da resposta emocional ao mundo desconhecido e um deve ter a necessidade de conhecer o desconhecido e, portanto, não pode renunciar. Ambos com a mesma origem, mas são coisas diferentes. Estou mais familiarizado com paixão do que com a obsessão.

Sim, os atores são, provavelmente, mais apaixonados do que obsessivos. O público em geral está sempre propenso a este último, e o filme trata de como os meios de comunicação são, de fato interessados ​​e exageram sobre tudo - que eles sabem: "os crimes mais terríveis". Também é ainda muito relevante hoje em dia e é um bom momento para este filme.

Eu também penso assim. O filme é passa na década de setenta e ele é perfeitamente adaptado para o tempo atual. Essa idéia de que precisamos desesperadamente de uma resposta para resolver algo, e ainda assim nada poderá ser resolvido, e o fato de que as coisas vão quebrar - isso é tudo muito atual. Eu acho que é um pouco da psique da América. Estes números são o lado negro da América, eles são muito americanos de muitas maneiras. Não exatamente o que você pode imaginar de outra forma nos Estados Unidos. E para este assunto, creio eu, faz o filme tão brilhante.

Ele também descreve o que significa interpretar a vida. Da realidade do que é impresso, o que está nos jornais e estas coisas são bastante diferentes. Que também é algo que você aprende como uma celebridade: O que pode ser verdade para você não é o que está escrito sobre você.

Acho que isso é extraordinário. Estamos aqui nesta cidade fascinante. Coisas muito normais estão acontecendo aqui. Eu entendo que de repente há a sensação de que outras pessoas não são confrontados com problemas semelhantes, que a vida não é a mesma para cada um. Mas é claro que, com respeito, há graus muito diferentes de gravidade dos problemas e das áreas do mundo em que vivemos e as coisas terríveis que acontecem ao nosso redor ... Às vezes, quando estou nos Estados Unidos, acho que há grandes coisas lá, mas qual é a conseqüência dessas coisas incríveis, este conforto? A facilidade em que vivemos, isso é ótimo, mas quais são as consequências? O filme é muito grande do que ele simplesmente não consegue exatamente iluminar as áreas escuras que nos fazem ter medo, ou pode dar uma resposta para o porquê deste Robert Graysmith não pode apenas sentar lá, sem nunca deixar de procurar uma solução. O que é esse vazio dentro dele? ... Eu realmente gosto deste aspecto do filme.


Você pode ver o vídeo da entrevista clicando aqui: Cineman

Eu também encontrei um vídeo antigo, mas dessas vez é de Jake em Moscou. São algumas imagens do photocall e tapete vermelho:

Um comentário:

  1. Se fala sobre ele até entrevistas antigas são interessantes rs

    ResponderExcluir